Não é uma pena… deve ser horrível quando isto acontece.

 

Para inaugurar este blog, gostaria de fazer alguns comentários que são relacionados ao grande número de críticas a Scrum e também relacionados aos defensores que vêm Scrum como a nova bala-de-prata para fazer sistemas.

É provável que o fator mais importante relacionado ao surgimento de Scrum seja a epifania que tiveram alguns profissionais da área de TI de que eles tinham de fato um compromisso profissional ao realizar suas tarefas dia-a-dia.

Este compromisso profissional não pode ser entendido como as obrigações mundanas a que os profissionais de TI são submetidos. É um compromisso ético. É o entendimento de que está em suas mãos e possibilidades gerar mais valor do que é gerado.

Estes profissionais compreenderam, com muito trabalho e várias experiências falhas e sucedidas, que é necessário considerar conseqüências. É obrigação pensar no retorno que o seu trabalho traz. É obrigação informar claramente sobre riscos, ganhos, vantagens e desvantagens do fruto de seu trabalho. Acima de tudo, eles passaram a acreditar que independente das regras impostas pela sua indústria, ao se ter a opção de gerar mais valor e a de gerar menos valor, deve-se escolher os melhores frutos.

Um paralelo interessante pode ser traçado utilizando-se a profissão médica. O médico tem um compromisso ético com a saúde do paciente. Este compromisso tem que estar acima da imposição institucional ou da indústria. O médico deve receitar o melhor remédio, e não lhe pode ser imposto o que receitar ou como tratar o paciente.

O médico considera vários fatores ao tratar uma doença ou condição. Ele tem a obrigação de informar ao paciente dos riscos de linhas diferentes de atuação. Uma vez iniciado um tratamento, não consideramos que há como pressionar o médico a curar o paciente mais rápido.

Desta forma, o profissional da área de TI não pode seguir cegamente um processo de software, não será mero escravo das imposições do cliente ou de uma instituição sem pensar que deve agir honestamente. Daí vem a importância da transparência de Scrum. É obrigatório que as escolhas feitas sejam informadas. Os “riscos do tratamento” têm que estar claros. Se o diagnóstico é de difícil tratamento, isto tem que ser entendido pelos envolvidos no projeto. Os Stakeholders têm que saber o que se passa para ter sua influência representada de forma compatível.

Este é o pano de fundo de Scrum e dos métodos ágeis em geral. E independente das regras que surgiram após este ponto inicial, devem ser estes pontos que nos norteiam, e não as regras e práticas.

Uma analogia jurídica está na consideração do texto constitucional. A constituição fica acima das outras leis, é mais forte que estas. Em alguns casos, leis municipais ou estaduais complementam estas leis, ditam procedimentos, normatizam direitos e deveres. Em outros, estas leis são julgadas inconstitucionais, estão em conflito com algo mais básico e importante, e, portanto não podem valer.

Scrum não é uma metodologia. Scrum é a arte do possível, é um framework com regras simples de como trabalhar. Não vai te dizer como resolver problemas. O que Scrum tenta fazer é te ajudar a ter transparência, te ajudar a buscar a geração de valor.

De certa forma, é similar a grande frase da declaração de independência americana: “We hold these truths to be self-evident, that all men are created equal, that they are endowed by their Creator with certain unalienable Rights, that among these are Life, Liberty and the pursuit of Happiness.”

É um direito inalienável “perseguir” a felicidade. Não é um direito inalienável tê-la.

Da mesma forma, devemos buscar gerar valor. Não necessariamente vamos conseguir.

A visão de que Scrum resolverá todos os seus problemas é um grande engano. Em primeiro lugar, Scrum é uma tentativa de evidenciar problemas. Resolvê-los caberá a cada um.

Outro dia li um artigo (http://alistair.cockburn.us/Why+can’t+people+deliver%3f) do Alistair Cockburn em que ele dizia que ter uma espada sem saber usá-la não o faria ganhar uma luta contra um exímio lutador de faca.

E é justamente nesta dimensão que está o centro da questão da maioria das críticas e defesas ferrenhas. Independente de suas práticas, você só vai curar doentes se souber e aplicar medicina. Só ganhará uma luta de espadas se for bom esgrimista (Samurais incluídos).

 Quando fiz o treinamento de ScrumMaster com o Ken Schwaber, tive a oportunidade de fazer várias perguntas capciosas a ele sobre situações específicas. Eram dilemas, problemas complicados que me pareciam não ser resolvidos de forma clara. Problemas que continuavam problemas.

A maior parte das respostas eram na forma de: “Pois é, que problemão que VOCÊ tem, hein ? Depois me conta como vocês fizeram.”;

E é isso aí. Sem mágica. Sem fórmulas, apenas mais obrigações e uma melhor consciência na nossa atuação.

2 Responses to “Não é uma pena… deve ser horrível quando isto acontece.”

  1. Andre Fonseca Says:

    Cara adorei seu blog. Agora: já pagou os direitos autorais da frase ao Baccar ?
    Parabéns. Gostei do que li e vou assinar o feed.

  2. csvo Says:

    Vlw Queiroz, seja bem vindo! A frase é genial mesmo, mas não falei com o Baccar sobre os direitos…🙂

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: